FTA ABS IGM

Informações sobre a coleta:
FTA-ABS - TREPONEMA IgM (IMUNOFLUORESCENCIA)

PALAVRAS CHAVES
FTA ABS IgM
FTA-ABS IgM
SIFILIS
LUES

CONDIÇÕES
0,5 mL de soro.

CONSERVAÇÃO PARA ENVIO
Ate 3 dias entre 2o e 8o C.

TEMPO DE JEJUM
- JO 8h.
- Intervalo entre mamadas para lactentes.

MARCAÇÃO (a partir da entrada do material no setor técnico)
** Considerar segunda-feira à sexta-feira como dias úteis.

CÓDIGOS
AMB/92 28060520
AMB/96 28060520
AMB/99 28062345

Informações complementares:
FTA-ABS Os testes sorológicos para sífilis são utilizados para detectar anticorpos contra o Treponema pallidum, o agente etiológico da sífilis. Dois grupos de anticorpos são pesquisados. O primeiro é um anticorpo contra antígeno não-treponêmico (reagina), dirigido contra uma estrutura lipoídica (fosfolípide), resultante da infecção do organismo pelo T. pallidum. Pode ser detectado pelo teste do VDRL e, mais recentemente, pelo teste do RPR (rapid plasma reagin). Estes testes são relativamente inespecíficos, principalmente quando os títulos do teste são menores que 1/16. Podem caracterizar uma reação falso-positiva e ocorrem em indivíduos com doenças auto-imunes, malária, infecções virais e bacterianas e mesmo em gestantes. Títulos maiores que 1/16 são sugestivos de infecção pelo treponema e o RPR é muito útil no seguimento terapêutico. O RPR torna-se positivo 2 a 3 semanas após o paciente ter-se infectado. - O segundo tipo de anticorpo é dirigido contra constituintes do próprio treponema e a sua pesquisa pode ser realizada pelo teste do FTA-ABS (imunofluorescência indireta) ou MHA-TP (microemaglutinação passiva) e, mais recentemente, por técnica de ELISA. São considerados testes confirmatórios para o diagnóstico da doença, quando o teste de RPR é positivo. Apesar de serem considerados como específicos, reações falso-positivas podem ser encontradas em menos de 1% dos indivíduos normais e em pacientes com doenças associadas a globulinas anormais ou aumentadas, LES e viciados em drogas. Doença de Lyme, hanseníase, malária, mononucleose infecciosa e leptospirose são também listadas como possíveis causas de ELISA falso-positivo. Resultados de ELISA inconclusivos ou indeterminados não podem ser interpretados; podem indicar um nível muito baixo de anticorpos antitreponemas ou podem ser devidos a fatores não específicos. - Pacientes com sífilis após tratamento específico podem apresentar persistência de reações positivas para o teste RPR (títulos sempre menores ou iguais a 1/8) e para o teste ELISA para antígenos treponêmicos, ou só para o teste ELISA por meses e anos, sem significado clínico, e que é reconhecido como cicatriz sorológica.